Home Veterinária Adote Curiosidades
Home
Veterinária
Adote
Curiosidades
Saúde Pet
Produtos
Fale Conosco
nona_mia


 NONA MIA
Seu pet não tem mais a mesma disposição, o pelo está quebradiço e opaco, o olhinho parece mais seco, o focinho começa a ficar branquinho? Sim, ele está envelhecendo.

Assim como nós, os animais precisam de cuidados especiais quando atingem a maior idade.

Cães de raças grandes como Pastor Alemão, Labrador, Golden entram na idade senil aos 6 anos. Já os cães de raças pequenas e gatos são senhores aos 7 anos de idade.

Agende uma consulta de avaliação e adequação. Seu pet vai viver melhor e por mais tempo.
gato_nervoso


SÍNDROME DO GATO NERVOSO
Como identificar e tratar

Os gatos são animais únicos e diferentes. Sua fisiologia é distintiva de outros seres. Talvez por isso desenvolvam condições únicas como a síndrome do gato nervoso.

O estresse pode ser a causa da Síndrome do gato nervoso
A causa da Síndrome do gato nervoso não é ainda bem conhecida. Pode estar ligada principalmente a um estado de estresse do animal.

A Hiperestesia felina, conhecida como Síndrome do Gato Nervoso é uma das doenças mais estranhas que os gatinhos adquirem. Ela recebe outros nomes técnicos que incluem neurite e neurodermatite atípica. Também é conhecida como “síndrome da pele ondulante”ou “síndrome da pele rolante”. Tantos nomes diferentes nos faz refletir que realmente ainda não se conhece muito sobre ela.

Causa da Síndrome do gato nervoso

A causa da Síndrome do gato nervoso não é ainda bem conhecida. Pode estar ligada principalmente a um estado de estresse do animal.

Existe uma teoria de que certas raças estão predispostas a desenvolver a síndrome como resultado do estresse, como as raças orientais.

Como identificar se um gato está com a síndrome

A Síndrome do gato nervoso é visível em alguns gatos, mas é mais difícil de identificar em outros. Comportamentos como virar-se de repente para o seu rabo, como se tivesse algo atrás dele, lamber ou morder áreas que vão desde as costas até o rabo. A maioria dos gatos com esta condição pula inesperadamente como se algo os assustasse ou estivesse perseguindo.

Alguns animais mostram sensibilidade quando tocados em qualquer ponto ao longo da coluna vertebral. Também podem parece estar alucinando, seguindo o movimento de coisas que não existem, e ter as pupilas dilatadas durante esses episódios.

Em casos graves da Síndrome do gato nervoso, eles podem se automutilar, mordendo, mastigando e puxando os pelos. Episódios de convulsões podem ocorrer.

Brinquedos ajudam a amenizar a síndrome do gato nervoso
Deixar brinquedos disponíveis ajuda a combater o estresse que causa a Síndrome do gato nervoso

Diagnóstico

O diagnóstico da Síndrome do gato nervoso é de exclusão. Existem outras doenças ou condições que podem causar sintomas similares que devem ser descartadas. Incluem-se nessas condições a dermatite de alergia à pulgas, infecções de pele, hipertireoidismo, envenenamento, condições dolorosas, deficiência nutricional, tumores ou traumas no cérebro.
Somente o Médico Veterinária saberá diferencias a síndrome, o comportamento normal ou alguma patologia.

É interessante que seja feito um vídeo dos episódios que ocorrem com o gato que você suspeita, para ser apresentado ao veterinário.

Exames clínicos e físicos deverão ser realizados. Quando todas as outras causas potenciais dos sintomas do seu animal de estimação foram descartadas ou tratadas, a Síndrome do gato nervoso poderá ser diagnosticada com confiança.

A companhia de outro gato não adversário pode contribuir muito para diminuir o estresse.

Tratamento

O tratamento envolve procurar diminuir as situações que causam estresse na vida do animal. Incluindo o enriquecimento do ambiente e alimentação com uma dieta adequada.

Em alguns casos o médico veterinário poderá indicar o uso de antidepressivos, anticonvulsivos ou medicamentos para reduzir o comportamento obsessivo. Isso deverá ser considerado apenas como último recurso. A maioria dos casos se resolve combatendo a situação de estresse do gato, através de mudanças no ambiente, alimentação e rotina.

A companhia de outro gato não adversário pode contribuir muito para diminuir o estresse.
— em Animal Racional Medicina Veterinária.



Site Map